Seiha Brasil de Koto - Yoko Nishi - Sea in a Moonlit Night - 15/Dez/2012

Neste último sábado, dia 15, foi a última apresentação do ano! E para fechar com chave de ouro, o grupo Seiha Brasil de Koto dividiu o palco com a solista Yoko Nishi e sua aluna Yamada Hiroko. Assim como na apresentação do ano passado, a solista veio ao Brasil por organização da SBPN (Associação Brasil-Japão de Pesquisadores) e realizou um número juntamente com as escolas de koto do Brasil.


A preparação começou apenas algumas semanas antes quando chegou a partitura da música Terra Eterna, composta pelo grande e famoso compositor japonês Shingo Edo. A música contém várias vozes de koto, além da parte em shakuhachi e jyushitiguen (koto de 17 cordas). A descrição da música, feita pelo próprio Shingo Edo está descrita abaixo:

"Compus a presente canção atendendo a um pedido especial da concertista de koto, Yoko Nishi: "Por favor, escreva uma canção que faça um elo entre o Brasil e o Japão". A música descreve a passagem do tempo que dura para sempre, do passado ao futuro. Transformei em canção o movimento daqueles que visam à terra ideal dentro desse fluxo do tempo eterno. Agradecendo ainda ao fato de cuidarem muito desse instrumento japonês, koto, que pulou do Japão para o outro lado do mundo". 

Shingo Edo



Depois de algumas alterações na partitura na semana da apresentação e muito treino individual e ensaios gerais, sexta-feira realizamos um treino com a própria Yoko Nishi para acertar detalhes como dinâmicas, tempo e etc. Já no sábado, no Centro Cultural de São Paulo, ao lado do metrô Vergueiro, passamos o dia acertando as posições dos instrumentos e som.

A apresentação começou com uma bela peça de Michio Miyagi chamada Tegoto e passou por peças de sua própria autoria e arranjos, dentre elas Tico-Tico no Fubá, em homenagem ao Brasil. Ficou belíssimo e encheu de orgulho nosso coração brasileiro! Esperamos ano que vem recebê-la novamente com mais novidades!





Entre os ilustres convidados, o ex-ministro Heizo Takenaka
Foto com Yamada Hiroko (esq.) e Yoko Nishi (dir.)

Comentários