Evento - Companhia Shigeyama de teatro Kyogen - 11/Julho/2012

No dia 11 de Julho, fui juntamente com os companheiros do Wadaiko Sho e a namorada assistir ao espetáculo de Kyogen no Teatro Gazeta. Boa parte das informações aqui contidas foram retiradas do programa distribuído no dia da apresentação.


De acordo com o programa, o Kyogen apresenta duas vertentes, a Okura e a Izumi, sendo a família Shigeyama pertencente à primeira vertente. A família teve como fundador Sengoro Shigeyama no período Edo (1603 - 1868) e vem sendo repassada até os dias atuais. Com a finalidade de tornar essa tradicional arte mais apreciável ao público em geral, a família começou a apresentar-se fora dos teatros, em uma forma mais informal. Os dois artistas (Hayao Tagaya e Hiromi Shimada) vindos do Japão são pai e filho, que fazem parte da 13ª geração da escola Sengoro Shigeyama.

A apresentação iniciou-se com uma introdução sobre o Kyogen, seguida de duas peças clássicas que descreverei brevemente abaixo. O que me chamou bastante atenção foi a potência e beleza da voz dos dois artistas, além do belo figurino de ambos. Não posso deixar de comentar também que o palco possuía poucos detalhes, mas não deixou de contar com a presença da imagem do pinheiro negro (matsu) japonês, que representa na verdade um tipo de divindade, inclusive citada em muitas canções folclóricas japonesas.
De acordo com os artistas, a platéia é responsável por metade da apresentação, pois para fazer sentido, precisamos usar bastante nossa imaginação para entender e nos divertimos com a apresentação!

Imagem do palco com a imagem do pinheiro negro (matsu) japonês.


Kaminari

Conta a história de um falso médico que viajando em direção à um cidade na região leste, observa o deus trovão (Kaminari) caindo dos céus e machucando a região lombar. O médico então utiliza técnicas de acupuntura, entretanto, o Deus têm medo de agulhas. Fazendo bastante estardalhaço, o Deus aceita o tratamento e após ficar melhor, retorna aos céus.


Neongyoku (Cantando deitado)

Como descrevemos no post anterior sobre Kyogen, esta peça tem como personagem principal o famoso serviçal Taro Kaja. Nesse conto, o personagem possui um belo canto, e portanto, seu senhor pede para que ele cante. Para não ser incomodado, Taro inventa uma desculpa dizendo que só canta depois de beber.

Não adiantando muito, o senhor serve-lhe várias doses de sakê. Em seguida, Taro Kaja comenta que não consegue soltar sua voz a não ser que esteja deitado no colo de sua esposa. Então o senhor simula ser sua esposa e lhe oferece o colo (claro, fazendo a platéia dar várias gargalhadas). Porém, devido à embriaguez, Taro se atrapalha e canta quando acordado e permanece em silêncio enquanto deitado, fazendo com o que se desenrole algumas cenas bastante cômicas!



Comentários