Kinkaku-ji (金閣寺) - Kyoto/Japão

Aproveitando que estamos falando um pouco da influência da música budista na música japonesa, vou falar neste post de um importante templo localizado na cidade de Kyoto: o Kinkaku-ji (金閣寺), também conhecido como Rokuon-ji (鹿苑寺). Qualquer um que procurar imagens ou perguntar a qualquer descendente quais locais visitar no Japão, terá esse indicação. Com esse ímpeto conheci este magnífico local em 2007, logo após a virada do ano, quando fui fazer arubaito (trabalho temporário) no Japão. Para quem não sabe, existe uma réplica deste tempo aqui no Brasil na cidade de Itapecerica da Serra.


O complexo em torno do templo é um grande exemplo do design de jardins do Período Muromachi. O local onde se encontra o templo foi um vilarejo chamado Kitayama-dai, pertencente a um poderoso senhor feudal, Saionji Kintsune. O Kinkaku-ji é datado de 1397, quando a vila foi comprada pelo Xogum Ashikaga Yoshimitsu (1358-1409) e transformado no complexo conhecido atualmente. Durante sua vida, o xogum buscou cobrir toda a parte externa do palácio com ouro, mas apenas o terceiro andar foi completado. Apesar do xogum viver dias de luxúria em Kyoto, a população vivia na miséria e aproximadamente 1.000 pessoas morreram de fome. Quando Yoshimitsu faleceu, a construção foi transformada em um templo zen budista pelo seu filho, de acordo com seu desejo.

Um dos templos do complexo do Kinkaku-ji
O templo dourado sofreu inúmeros incêndios durantes sua existência. Durante a guerra de Onin (guerra civil que durou aproximadamente 10 anos), a construção foi incendiada duas vezes. Em 2 de julho de 1950, o pavilhão dourado foi incendiado por um monge iniciante de 22 anos de idade, chamado Hayashi Yoken, e posteriormente tentou o suicídio atrás da construção no vale Daimon-ji. Após ser capturado, foi sentenciado à 7 anos de prisão mas foi liberado por diagnóstico de insanidade mental. Durante o incêndio, a estátua de Ashikaga Yoshimitsu foi destruída (atualmente restaurada). Já os jardins em volta do templo nunca foram danificados e se mantém o mesmo desde a fundação do templo.
A estrutura do atual pavilhão data de 1955 quando iniciou-se sua reconstrução. A reconstrução é muito próxima da original, sendo uma das poucas diferenças a camada de ouro utilizada para cobrir o templo (a camada original era 5 vezes mais grossa que a atual) - concluída em 1987. Adicionalmente, o interior da construção, juntamente com as pinturas e a estátua de Yoshimitsu foram restauradas. Em 2003, o telhado foi completamente refeito.


Estrutura

O andar térreo da construção é conhecido com Hosuiin (Templo do Darma da água), construído em estilo shinden (que teve notabilidade no século XI durante o período Heian). São visíveis as estruturas de madeira e a parede branca contrastando com todo o resto da construção. Além disso, a varanda permite a entrada de luz e ar fresco no interior da construção. No seu interior estão abrigados a estátua de Ashikaga Yoshimitsu e do Shaka Budha (o popular buda).

Imagem do interior do primeiro andar do Pavilhão Dourado

O segundo andar é chamado de Choondo (literalmente "Torre das ondas do som") e foi construído em estilo buke. Tal estilo é o predominante nas casas dos antigos samurais. No interior do aposento deste andar, encontra-se a estátua da deusa Kannon cercada pelas estátuas de 4 reis sagrados.

O terceiro e último andar foi construído no estilo dos templos budistas, e é conhecido como Kukkyocho. As janelas são circulares e possui muito mais ornamentos que os outros andares, além de ser folheado a ouro na parte interna e externa. No seu interior, há um estátua de Amida e 25 Bodhisattvas. No topo do templo, há uma fênix chinesa dourada.


Comentários