Kinkaku-ji do Brasil - Itapecerica da Serra

Já que no post anterior falei um pouco do Kinkaku-ji da cidade de Kyoto, vou falar agora da réplica encontrada aqui no Brasil, na cidade de Itapecerica da Serra. A réplica, tão bonita e imponente quanto a irmã de Kyoto, foi construída em 1976 e se encontra no Parque Turístico Nacional Vale dos Templos, em Itapecerica da Serra em São Paulo, e tornou-se Patrimônio Histórico Nacional. É administrado pela diretora Toshiko Akune.
Portão de entrada do Kinkaku-ji do Brasil

Desde pequeno frequento o local porque as cinzas da minha avó e meu avô da parte materna estão no pequeno santuário. O Kinkaku-ji do Brasil foi idealizado por Alonzo Bain Shattuck, um americano veterano da segunda guerra mundial que morou no Japão do pós-guerra durante 15 anos. Teve por arquiteto Takeshi Suzuki e foi construído com a participação de dois escultores japoneses: Noburo Norisada e Kanto Matsumoto.


Estrutura

O Kinkaku-ji do Brasil foi construído em concreto armado e revestido com cedro, que recebeu uma tintura dourada especial em vez de ser folheado a ouro como o Kinkaku-ji do Japão. Em seu interior há várias salas para celebração de cerimônias ecumênicas e um cinerário com vários columbários somando mais de cinco mil nichos permanentes. Em um desses nichos, encontram-se as cinzas de Cassiano Gabus Mendes, autor global de novelas como Ti Ti ti.


Sua construção fica às margens de um lago repleto de carpas e algumas tartarugas e gansos e fica de frente para o pôr-do-sol. Ao envolto do templo, há a presença de uma densa mata Atlântica nativa e uma nascente de água que dão ao local um ar de tranquilidade, paz e energias espirituais.

Enko-ji

Além do Kinkaku-ji, o local abriga o Enko-ji, um autêntico templo budista onde é possível realizar meditações orientado pelo monge Ohata. Pela arquitetura, podemos verificar que não se assemelha ao Kinkaku-ji. Dentro do templo, podemos encontrar estátuas de buda e alguns instrumentos de percussão utilizados nas missas budistas, como o mokugyo, kin e o hansho.

Kin e mokugyo dispostos no altar budista

Adicionalmente, estão dispostas algumas instruções básicas sobre meditação e também almofadas para a sua prática (tentei mas não consegui!).



Passeio

O passeio foi programado nessa mesma semana. No sábado fizemos as compras para preparar um bento (espécie de marmita japonesa) e cedinho no domingo preparamos a comida. O dia estava propício para o passeio: sol e uma temperatura agradável.

Pegamos a rodovia Regis Bitencourt em direção ao Kinkaku-ji. Uma vez em Itapecerica, existem várias placas indicativas para chegar no local. Apesar da estrada de terra, o clima de paz e tranquilidade já dominava o local. O frescor e pureza do ar, com barulhos de cigarras e pássaros fez com nem percebêssemos que estávamos a apenas 45 minutos da capital. Passando pela recepção, logo de cara avistei um hansho (espécie de sino utilizado em missas) e ao lado, uma escultura em madeira de buda, onde acendemos incensos e oramos.



Até o templo, há uma grande descida. Os lagos e a arquitetura japonesa me davam a sensação de estar de volta ao Japão. Durante o caminho, o barulho dos animais e da correnteza da água me trouxeram uma energia que fazia tempo que não sentia com o corre-corre e o estresse da cidade. Chegando no kinkaku-ji, demos ração às carpas e gansos e ficamos sentados olhando para a mata em volta. No dia, não tinha quase nenhum visitante, dando mais ainda a sensação de tranquilidade.


Além das fotos, oramos no templo e procuramos o nicho da família Matsumoto, onde estão as cinzas dos meus antepassados. Mais pela tarde comemos nosso bento e quando fomos embora, vimos que passamos ali 4 horas que passaram como minutos! Foi muito bom o passeio e recomendo a todos!!!! Me senti com as energias renovadas e com um novo ânimo para seguir meus objetivos.

Serviço
Rua Camarão, nº 220, Itapecerica da Serra (SP), telefones (11) 4667-3944/4666-4895.
Pela Regis Bitencourt, levamos 1 hora saindo do centro da cidade.





Comentários

  1. Indicações muito ricas, arigato por compartilhar! Falam bastante sobre o templo de Zu Lai de Cotia, vc já foi? Bjs

    ResponderExcluir
  2. Olá Alvaro!
    Não sabia que no Brasil havia uma réplica do templo Kinkaku-ji. Deve ser um passeio interessante!
    Ano passado viajei para o Japão e conheci o Kinkaku-ji original. Achei o lugar belíssimo! Fiquei encantada com o reflexo dourado do templo na água! Amei conhecer um pouco mais da cultura japonesa!
    Escrevo um blog de viagens e contei as minhas dicas para visitar o Kinkaku-ji. Inclui um link para o seu texto do Kinkaku-ji. Depois dê uma olhadinha lá: http://www.nosnomundo.com.br/2013/02/kinkaku-ji-o-templo-de-ouro-de-kyoto/
    BJs, Anna Bárbara

    ResponderExcluir

Postar um comentário