Koto (箏) – Michio Miyagi -宮城 道雄


A ocidentalização da música clássica japonesa foi muito lenta e superficial até que surgiu na história do koto um personagem muito famoso, Michio Miyagi (07/04/1894 – 25/06/1956), cuja expertise musical era caracterizada pela combinação do hogaku (música tradicional japonesa) e do yogaku (música ocidental). Nascido em Kobe, ele perdeu a visão aos 8 anos e iniciou o aprendizado de koto com Nakajima Kengyo II.


Em 1907, mudou-se para Incheon (Coreía) com sua família e aos 14 anos terminou sua primeira composição, Mizu no Hentai (1909). Nesta peça, observamos a utilização aspectos do tegoto tradicional, com pouquíssimos elementos ocidentais e poucas alterações do compasso. Depois, suas composições demonstraram uma crescente ocidentalização. Por exemplo, Kara Kinuta é uma composição para quartetos de koto e shamisen, como nos quartetos de cordas ocidentais. Imitações canônicas surgiram em Aki no Shirabe. Podemos dividir a vida musical em três partes: a primeira compondo peças no estilo tradicional japonês, a segunda realizando peças orquestrais com instrumentos japoneses, e uma terceira, em que combinou instrumentos Japoneses e Ocidentais em uma mesma combinação, como sua peça mais conhecida, Haru no Umi (1929).



Aos 18 anos, atingiu o título de kengyo (título oficial dado para profissionais cegos altamente capacitados e também o título mais alto para um kotoísta). Em 1917, Miyagui se mudou para Tóquio e em 1919 realizou seu primeiro recital contando apenas com composições próprias. Em 1925, participou da primeira transmissão de rádio no Japão e em 1929, assinou um contrato exclusivo com a JVC.


Em 1930, tornou-se professor na atual Universidade de Artes de Tokyo. Em 1932, gravou a famosa Haru no Umi com o violinista francês Renee Chemet que veio ao Japão para um tour, que foi posteriormente gravado e distribuído no Japão e Europa. Esse álbum ficou conhecidíssimo também nos Estados Unidos e Reino Unido, abrindo as portas da música tradicional japonesa para o mundo. Infelizmente, em 1956, Michio Miyagi faleceu após cair de um trem em Kariya, Aichi, durante um de seus tours.

Até hoje, a influência de Michio Miyagi é muito forte. Além de deixar escritas mais de 500 peças, suas idéias de utilização de instrumentos japoneses para compor uma orquestra e a utilização da mão esquerda para harpejo no koto é utilizada até hoje. Além disso, Michio Miyagui inventou variações do koto, como o Jyushitiguen 十七弦 (koto de 17 cordas) que é característico por fazer um papel de baixo, o koto de 21, 40 e 80 cordas. 

Michio Miyagi tocando um koto de 80 cordas

Meu koto do lado do Jyushitiguen (de cordas amarelas)

Comentários

  1. Obrigada pelas informações! Vou poder tocar o Haru no Umi melhor tendo conhecimento do compositor e sua nova vertente do estilo tradicional japonês.

    ResponderExcluir

Postar um comentário